Home Rugby Brasileiro de Rugby em cadeira de rodas tem participação de uma mulher...

Brasileiro de Rugby em cadeira de rodas tem participação de uma mulher em time masculino do Paraná

-

Competição encerrou com Santer Rio Campeão

O Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, recebeu o 13° Campeonato Brasileiro de Rugby em cadeira de rodas, entre os dias 31 de outubro e 3 de novembro. E, entre todos os atletas, havia apenas uma mulher: a paulista Mariana do Nascimento Costa, de 32 anos, jogadora do time Gladiadores (Curitiba – PR).

Na modalidade desde 2015, quando começou a defender a Unicamp/Adeacamp, de Campinas, Mari, como é carinhosamente chamada por seus companheiros de equipe, teve meningite com 1 ano e três meses de vida. Por isso, teve amputação dos membros inferiores.

“Minha entrada no esporte foi pelo basquete, minha primeira grande paixão, ainda na infância. Fiz parte da seleção paulista e brasileira. Depois, descobri o rugby, que também virou uma paixão. Hoje, pratico as duas modalidades”, afirmou Mari, que é mãe do pequeno Arthur, de quatro anos. 

Sobre o fato de ser a única mulher a ter participado da competição, a atleta disse se sentir lisonjeada. “Estou muito feliz por tudo que tem acontecido na minha vida. Há outras mulheres no rugby em cadeira de rodas, mas fui a única no torneio. Inclusive, agradeço à prefeitura de Curitiba pela oportunidade. O que me deixa contente também é o fato de os atletas homens me respeitarem muito. Eles me trataram de igual para igual, pois eu exijo isso mesmo. A gente vai para cima e briga muito por cada lance”, afirmou.

No último jogo do Gladiadores no campeonato, enquanto esteve no banco de reservas, Mari incentivou seus companheiros o tempo inteiro. Quando entrou no último quarto, a jogadora colaborou com passes, pontos e muita marcação. 

Sua equipe, que terminou a competição em quinto lugar entre os seis times participantes, venceu essa partida contra o Irefes/ES. “Essa vontade de vencer vem dos próprios companheiros de equipe. Da mesma forma que eles me incentivam, eu os incentivo de volta”, explicou.

Homenagem
Ao fim da partida entre Gladiadores e Irefes/ES, houve uma linda homenagem póstuma da equipe paranaense à Tainá Melany Santos, a “Tininha”, que morreu no último mês de março, aos 29 anos, em decorrência de complicações causadas pela Covid-19. Ela era uma das atletas do time de Curitiba. “A perda dela foi muito difícil para todos nós. Entre as mulheres, ela é uma das pioneiras no rugby em cadeira de rodas”, disse Mari.

A irmã de Tininha, Talita Santos, recebeu uma camisa emoldurada do Gladiadores com o nome Tainá e o número 13, o que gerou um momento de muita emoção no Centro de Treinamento Paralímpico.

Resultados
O título da competição, que foi disputada em sistema de pontos corridos, ficou com a equipe da Associação Santer de Ação Comunitária (Vikings), do Rio de Janeiro. O time obteve 100% de aproveitamento. 

Na disputa pelo vice-campeonato, as equipes Minas Quad Rugby (Javalis) e Gigantes de São Paulo se enfrentaram no último jogo do campeonato e os mineiros ficaram com a segunda colocação da tabela ao vencerem o confronto por 54 a 37.

Confira classificação final das equipes:

1º lugar – Santer Rio/RJ
2º lugar – Minas Quad Rugby/MG
3º lugar – Gigantes/SP
4º lugar – Ronins/SP
5º lugar – Gladiadores/PR
6º lugar – Irefes/ES

Comentários

- Advertisment -Brasileiro de Rugby em cadeira de rodas tem participação de uma mulher em time masculino do Paraná - Olimpia Sports

Últimas Notícias